Notícias

Horário de verão pode começar no 1º dia do ENEM

Horário de verão estava previso para começar no dia 28 de outubro, mas devido às eleições mudou para 4 de novembro, dia da primeira prova do ENEM. MEC tenta mudança.

A presidência da república divulgou nesta quarta-feira (26) que o horário de verão não vai mais começar no dia 28 de outubro, mas sim no dia 4 de novembro, data da primeira prova do ENEM. A mudança ocorreu devido a um pedido de Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que a alteração não fosse feita no dia do segundo turno das eleições. Agora, o Ministério da Educação (MEC) tenta modificar a data mais uma vez para o dia 18 de novembro para que não haja interferência no Exame Nacional do Ensino Médio e os alunos não precisem adiantar o relógio em uma hora no dia do teste.

10 estados e o Distrito Federal participam do horário de verão. São eles: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Mesmo com a solicitação, o MEC já informou que está preparado, caso a mudança ocorra no dia da primeira prova: “iremos (MEC e Inep) elaborar campanha alertando aos estudantes em pontos fundamentais para a prova, principalmente na questão do horário e do material a ser levado no dia do exame”.

Entenda os motivos das mudanças no horário de verão

O que acontece, na verdade, é um grande impasse envolvendo o início do horário de verão, o segundo turno das eleições e o exame. Primeiramente, o TSE solicitou ao presidente Michel Temer que ocorresse a mudança do dia 28/10 para o dia 04/11. Isso aconteceu porque com o horário de verão iniciado, haveria uma diferença de 3 horas entre a apuração em uma cidade que adote o horário de Brasília (como fazem Sul, Sudeste e Centro-Oeste) e o Acre. Isso atrasaria resultados, programas de televisão. Enfim, seria uma grande bagunça.

Posteriormente, logo após a divulgação da mudança, o MEC entrou em contato com a presidência da república pedindo que a alteração ocorra somente após a segunda prova, que é dia 11 de novembro. Um empecilho é que mais essa mudança atrasaria em um total de 3 semanas o início previsto para o horário de verão. Até o momento, o MEC não obteve nenhuma resposta.

Fim do horário de verão

Agora o impasse da presidência é prejudicar os alunos, com uma hora a menos de descanso na madrugada da primeira prova, ou atrasar em 3 semanas o início do horário de verão. Vale lembrar que no início do ano, o governo chegou a cogitar extinguir a prática, já que segundo estudos do Ministério de Minas e Energia, não surtia mais efeitos na economia de energia – que é o principal objetivo.

Compartilhe nas redes sociais:

Deixe um comentário